Mértola, Vila Museu


Vila raiana fortificada edificada sobre uma encosta do Rio Guadiana e com um património histórico riquíssimo.

Denominada de Vila Museu conta actualmente com 10 núcleos museológicos visitáveis, distribuídos pelo Centro Histórico.

O Museu é a própria Vila (e daí o título) uma vez que o circuito patrimonial convida a percorrer as ruas e ruelas permitindo descobrir a sua organização urbanística e apreciar o seu bonito enquadramento paisagístico.

Recomenda-se a consulta do site do turismo da Câmara de Mértola para melhor planear a visita. Também será importante verificar os horários de visita de alguns dos locais (no Inverno, é habitual que encerrem às 17h30).

Dos vários pontos de interesse a visitar destacam-se por nenhuma ordem especial:

As Muralhas

A construção das muralhas que rodeiam o Centro Histórico remonta ao século IX. A muralha albergava três entradas: Porta de Beja, Porta do Buraco e a Porta da Ribeira, restando apenas a última.

Escavações recentes colocaram à vista uma construção militar romana no lado virado para o Guadiana.

O Castelo

Mértola é cidade fortificada por um castelo cuja construção data do final do século XIII / início do século XIV.

No topo possui a Torre de Menagem em bom estado de conservação com cerca de 30m. A vista sobre a cidade e o rio desde aqui é seguramente uma das melhores.

No exterior está a estátua de Ibn Qasi (Abu'l-Qâsim Ahmad Ibn al-Husayn Ibn Qasi), Rei de Mértola, Imam e Mahdi (O que é guiado por Deus), líder político e espiritual luso-muçulmano descendente de cristãos convertidos ao Islamismo. Para quem quiser conhecer esta fantástica história sugere-se a seguinte leitura.

A Alcáçova do Castelo

O bairro da Alcáçova localizado junto ao castelo é um importante núcleo arqueológico que incorpora as ruínas de um Fórum Romano e de um conjunto de habitações da época islâmica.

Igreja de Nossa Senhora da Anunciação (Matriz)

Foi inicialmente uma Mesquita edificada no século XII durante a ocupação muçulmana do território. Durante a reconquista cristã foi transformada em templo cristão tendo adquirido o título de Monumento Nacional em 1910.

Da Mesquita permanecem quatro portas em estilo árabe e o Mihrab (nicho em forma de semicírculo) que indica a direcção (Qibla) do Kaaba (O Cubo), monumento no centro da Mesquita mais importante para o Islão, em Meca, e consequentemente a direcção para onde os muçulmanos se devem voltar para orar. Esta é uma das regras base da Religião Muçulmana através dos séculos.

O Convento de São Francisco (Museu da Água)

Com origens no século XVII, o Convento de São Francisco está localizado entre o Rio Guadiana e a Ribeira de Oeiras.

Actualmente pertence a particulares sendo espaço cultural aberto ao público três vezes por semana.

Também aqui está instalado o Museu da Água onde é possível ver alguns sistemas de irrigação, um poço, nora e asno mecânico.

A Torre do Relógio

Presença frequente nos postais da cidade, está situada junto ao rio. Não se conhece a origem sendo provável que tenha sido edificada nos finais do século XVI num dos torreões da muralha.

A Casa Romana

Inaugurado em 1989 foi o primeiro núcleo museológico do Museu de Mértola. Localiza-se na cave do edifício dos Paços do Concelho e reúne vários objectos das intervenções arqueológicas levadas a cabo na vila nos últimos anos.

O Rio Guadiana

Quarto maior rio da Península Ibérica, com uma extensão de 829km. Nasce em Espanha e desagua no Golfo de Cádiz, entre Vila Real de Santo António e a cidade espanhola de Ayamonte.

O rio é fronteira natural entre Portugal e Espanha desde o Rio Chança até à foz. Entre o Rio Caia e a Ribeira de Cuncos a fronteira não está demarcada devido ao litígio fronteiriço de Olivença.

É navegável até Mértola num total de 68km. Do lado português foi construída a Barragem de Alqueva (2002) na região do Alentejo, criando o maior lago artificial da Europa.